Últimas Notícias

Festival Reimagine Rio Retrata Inovações em Comunidades do Rio

Click Here for English

A estreia do filme Não Deixe a Peteca Cair abriu oficialmente o Festival Reimagine Rio no dia 30 de julho na comunidade da Chacrinha, localizada em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. O Festival é uma iniciativa da Rise Up & Care, que visa mostrar a cidade a partir da perspectiva de projetos comunitários excepcionais que criaram inspiração, inovação e novas relações entre seus participantes. Com essa ideia em mente, os fundadores da Rise Up & Care Kirk Bowman e Jon Wilcox fizeram uma parceria com a cineasta Kátia Lund para produzir cinco documentários longa-metragens, cada um sobre uma iniciativa comunitária única e inspiradora. Os cinco filmes foram gravados em comunidades da cidade ao longo de um ano, acrescentando ao mosaico cultural que é o Rio de Janeiro.

Kirk Bowman espera que o festival ajude a apresentar “uma nova visão do Rio” durante os Jogos Olímpicos, que vá além das imagens negativas veiculadas pela mídia internacional sobre a cidade e em particular sobre as favelas.

“A série de filmes vai de encontro às imagens negativas das notícias e dos estereótipos sobre essas comunidades difamadas e mostra o Rio desde suas raízes e suas comunidades. Um Rio bonito, inovador e generoso”. – Kirk Bowman

Até o final de agosto acontecerão 425 apresentações dos cinco filmes por toda a Região Metropolitana do Rio, incluindo a Baixada Fluminense, de acordo com o mapa e a agenda oficial. Seguindo um modelo de distribuição inovador, os organizadores contrataram dez agentes de distribuição por toda a cidade, que então trabalharam com dezenas de “localizadores”, identificando igrejas, praças públicas, centros comunitários e outras localidades em favelas por toda a cidade para realizar as apresentações, de forma que os filmes se tornem acessíveis a todos. O objetivo é que eles sejam assistidos amplamente pelos próprios moradores das favelas, “para compartilhar essas histórias transformadoras e positivas nas exibições comunitárias. O mundo difama muito as favelas e as pessoas das comunidades da periferia. Por isso nós amamos essa distribuição”, explica Kirk.

Somente nas favelas, os filmes serão exibidos gratuitamente em 74 localidades. Os filmes também poderão ser vistos nos cinemas: Estação Net Rio, Estação Net Ipanema, Estação Net Gávea, Estação Net Barra Point, Cine Jóia Copacabana, Cine Santa e Point Cine, de 11 a 17 de agosto. No Cine Manguinhos está havendo uma maratona o dia todo hoje, 13 de agosto, com todos os cinco filmes sendo exibidos de graça. Estão havendo apresentações de estreias oficiais para cada um dos filmes nas respectivas comunidades em que foram gravados.

“Filmes viajam, inspiram e refletem a realidade poeticamente”. – Kirk Bowman

13903198_915814035193736_4872543082603790881_n

Leia mais, abaixo, sobre cada um dos filmes e suas estreias nas comunidades onde foram filmados. As estreias oficiais serão celebradas nas comunidades com shows e festas. Todos são bem-vindos!

Como explica Kirk, “Nosso principal objetivo é celebrar as conquistas da Associação Miratus, do Jongo da Serrinha, do Guti e Nós do Morro, do Cinema Nosso e do Circo Crescer e Viver, com as estreias nestas comunidades”. Então junte-se nestes eventos nos próximos dias:

Não Deixe a Peteca Cair

peteca

Não Deixe a Peteca Cair conta a história da Associação Miratus de Badminton, uma organização fundada por Sebastião Dias de Oliveira em 1998, que apresentou o badminton às crianças da Favela do Chacrinha, localizada na Zona Oeste do Rio. A introdução de técnicas de samba ao esporte levou à classificação de alguns estudantes para as Olimpíadas de 2016 e é um exemplo de como a inovação e a perseverança podem romper barreiras e conquistar sonhos. Eles foram recentemente destacados em um vídeo do New York Times que foi amplamente compartilhado.

A exibição de estreia de “Não Deixe a Peteca Cair” aconteceu na Chacrinha no dia 30 de julho e será exibido em diversas localidades do Rio até 30 de agosto.

A emoção era palpável ao observar os membros da comunidade assistindo seus pares sendo apresentados e celebrados na tela.

A emoção era palpável ao observar os membros da comunidade assistindo seus pares sendo apresentados e celebrados na tela.

Sebastião, o treinador da equipe de badminton, cujo filho chegou à equipe olímpica brasileira, estava visivelmente comovido com o filme que descreve seu trabalho amoroso.

Sebastião, o treinador da equipe de badminton, cujo filho chegou à equipe olímpica brasileira, estava visivelmente comovido com o filme que descreve seu trabalho amoroso.

No Risco do Circo, No Risco da Vida

gira

No Risco do Circo, No Risco da Vida conta a história do Circo Crescer e Viver, um circo social na Região Portuária do Rio fundado pelos amigos de infância Vinicius e Junior. Por dez anos, o circo tem contribuído para o desenvolvimento social e humano através da cultura e artes circenses para moradores de comunidades próximas. Seu modelo único de educação e inclusão tem tido um impacto real na vida dos jovens.

“No Risco do Circo, No Risco da Vida” estreou no dia 11 de agosto, às 20h, no próprio circo, na Praça Onze.

Nosso Cinema Nosso

Captura-de-Tela-2016-08-12-às-12.31.15-620x264

Nosso Cinema Nosso acompanha o dia-a-dia de seis membros da iniciativa Cinema Nosso. O Cinema Nosso trouxe o mundo de produções cinematográficas e audiovisuais para comunidades de baixa renda e marginalizadas, com o objetivo de produzir filmes que toquem em temas facilmente acessíveis aos participantes. O filme retrata o desafio de seis cineastas de fazer um filme dentro de um filme.

“Nosso Cinema Nosso” estreou no dia 12 de agosto, às 19h, no Cinema Nosso, na Lapa.

Assó, Adorei o Jongo!

jongo

Assó, Adorei o Jongo! conta a poderosa história das mulheres do Jongo da Serrinha, comunidade localizada em Madureira, e sua luta pela cultura afro-brasileira. Originada em Angola, a música afro-brasileira e a tradição da dança Jongo têm sofrido preconceito significativo no Brasil.

A estreia de “Assó, Adorei o Jongo!” acontecerá hoje, no dia 13 de agosto às 18h , no endereço Rua Compositor Silas de Oliveira, 101, na comunidade Jongo da Serrinha, em Madureira.

Loucos Dizem que Somos

Loucos Dizem que Somos acompanha as performances dos estudantes de Guti Fraga, que dedicou sua vida a abrir o mundo das artes e cultura a pessoas de todas as idades na comunidade do Vidigal. Campinho Show é uma iniciativa do grupo  Nós do Morro lançada em 2009, que leva música, dança, poesia e teatro para os jovens da favela. A iniciativa é um convite a arte e a cultura que reuni todos os tipos de pessoas.

“Loucos Dizem que Somos” terá sua apresentação de estreia amanhã, no domingo, 14 de agosto, às 18h30, na Vila Olímpica do Vidigal, onde o Campinho Show acontece todos os meses.

Festival-sign

As exibições de filmes em Padre Miguel estão acontecendo de 12 a 14 agosto.