Últimas Notícias

Após Três Anos Sem Eletricidade, Vila Hípica Discute Futuro com o Parque Nacional da Tijuca

Click Here for English

No dia 24 de maio, apoiadores da comunidade Hípica de quase 80 anos se encontraram no Parque Lage para dialogar com os administradores do Parque Nacional da Tijuca sobre o futuro da comunidade. O encontro começou um pouco tenso com Ernesto Viveiros de Castro, diretor do Parque Nacional da Tijuca, reconhecendo que têm havido longas tensões entre os moradores e a administração do Parque. Esforços foram realizados para garantir que as discussões fossem sucintas e respeitosas entre os membros da platéia, que incluía moradores da Hípica, bem como moradores do Horto, da Vila Autódromo e do Vale Encantado. Também havia representantes de diversas organizações governamentais e não-governamentais, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e o Movimento Inter-Religioso do Rio de Janeiro.

Roberta Leocádio, responsável pela consolidação territorial do Parque, e Ernesto Castro, diretor do Parque, começaram o encontro com apresentações de PowerPoint sobre a história do Parque com a Hípica e o posicionamento acerca de moradia nos limites do Parque. Os representantes do Parque culparam a antiga má administração do Parque pelos atuais conflitos–reconhecendo que enquanto os antigos administradores estavam sendo mais tolerantes com comunidades como a Hípica, os novos administradores não estavam mais dispostos a serem.

O diretor também negou que o Parque estivesse mirando a Hípica especificamente quando restringiram o acesso a eletricidade para algumas casas há três anos, quando a rede elétrica foi atualizada. Os apoiadores da comunidade apontaram que os restaurantes na área possuem eletricidade, e reclamaram também sobre a construção de torres de telecomunicação–que são mais prejudiciais ao meio ambiente do que casas. Ernesto defendeu as ações do Parque ao observar que, de acordo com o regulamento do Parque, devem ter restaurantes no Parque, enquanto não há nenhum mandato do tipo em relação à moradia. Ernesto também sustentou que o Parque é contra esses novos desenvolvimentos.

A resposta imediata após a apresentação foi frustração. Marcello Deodoro, um ativista social, expressou sua irritação pelo fato de que nada na apresentação falou sobre direitos humanos e ele também estava “envergonhado” pela falta de respeito por parte da administração do Parque para com os moradores da Hípica. Para ressaltar o lado humano da questão, o presidente da Associação de Amigos e Moradores do Alto da Boa Vista, que inclui a Vila Hípica, Otávio Barros, falou de dois antigos moradores que morreram devido ao corte de eletricidade. Luci Rosa de Alcomtona apresentou a notificação de remoção e os documentos médicos de seu falecido pai, dizendo à audiência que sua saúde piorou devido à falta de acesso à eletricidade. Desafiando a antiga afirmação de que comunidades como a Hípica levam à degradação ambiental e que então devem ser removidas, Luci contou à atenta platéia que apesar de ninguém desmatar, eles são mantidos sem luz.

No momento, o caso da Hípica está atrelado ao que Ernesto chama de “imbróglio judicial”. Alguns membros da audiência expressaram sua falta de confiança no sistema judiciário. O Vereador Reimont declarou que o juiz atribuído ao caso não entende as vidas de pessoas comuns, enquanto outro membro da audiência disse que se o tribunal defender a remoção da comunidade da Hípica, qualquer aplicação da lei seria uma “aplicação da justiça que não é justa”.

Apesar da discussão tensa, o encontro terminou com uma nota positiva. Bettino Zanini, da Associação de Moradores e Amigos do Jardim Botânico (AMAJB), sugeriu que os participantes, incluindo os representantes do Parque ali presentes, enviassem uma carta de protesto diretamente ao escritório do procurador-geral demandando que a eletricidade seja religada na Hípica. Os interessados esperam receber uma resposta do Parque dentro de uma semana.