Últimas Notícias

‘Nós Continuaremos Resistindo’: Favela Cineclube Comemora Mulheres Cineastas

Click Here for English

Em uma noite chuvosa, debaixo de uma barulhenta passarela no Morro da Providência, no Centro do Rio de Janeiro, moradores da favela, ativistas, cineastas e fãs de cinema se reuniram no evento Favela Feminista: Marielle Presente, uma exibição de curtas-metragens produzidos por mulheres cineastas no Rio. O evento, organizado pelo Favela Cineclube, havia sido adiado por uma semana após o assassinato brutal da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Pedro Gomes. O evento remarcado para o dia 22 de março foi dedicado à Marielle, com a exibição dos filmes precedida por um vídeo celebrando a vereadora. Após as exibições houve um debate poderoso e emotivo com as cineastas, sobre seus trabalhos, o legado de Marielle e a contínua violência perpetrada contra pessoas negras no Brasil.

Filmes feministas: guerreiras brasileiras

Os filmes foram escolhidos para mostrar o trabalho de mulheres diretoras no Rio por conta do Dia Internacional da Mulher e incluíram ficção, documentário e mídia ativista. Como declarado na página do evento no Facebook do clube de cinema, todos os curtas-metragens apresentavam uma coisa em comum: As “protagonistas são guerreiras brasileiras”.

O Som do Teu Toque é uma convocação ao combate à violência doméstica contra mulheres. Sabrina Viegas, a diretora, reiterou, após o filme, que “nós precisamos denunciar a violência. Nós devemos fazer alguma coisa”. O documentário ‘Lua’ olha para a feminilidade e as experiências da infância através dos olhos de Lua Guerreiro, uma trans não binária, moradora do Rio. ‘Moradores da Maré: D. Orosina e D. Vera presta homenagem a duas das primeiras moradoras do Complexo da Maré e oferece um vislumbre do Museu da Maré, um dos primeiros espaços do tipo dentro de uma favela. ‘Não Pense que Sabe Ser Quem é‘ por Leila Xavier é um curta que evoca com crueza questões sobre a identidade negra. ‘Maria Adelaide é um filme lindamente filmado, que traz um elemento de esperança à tela, seguindo a jornada de uma jovem mulher para encontrar a si mesma depois de se mudar para o Rio de Janeiro. A mensagem do filme, segundo a diretora, Catarina Almeida, é a de que “a vida pode ser boa”.

“Marielle Presente”: Parem de matar nosso povo

Depois das exibições, a audiência foi convidada a formar um círculo, no campo de esportes de concreto adjacente, e participarem do debate com as cineastas, conduzido pela crítica de cinema Samantha Brasil. Muitas das pessoas presentes conheciam Marielle pessoalmente e foram inspiradas por seu trabalho. Lágrimas foram derramadas enquanto as cineastas discutiam seu legado e a contínua violência perpetrada no Brasil contra a população negra. Rosa Miranda, diretora de ‘Lua’ e fundadora do coletivo artístico Kbça D’ Nêga, lutou contra suas lágrimas ao demandar: “Parem de matar nosso povo!” A historiadora Carolina Rocha, que contribuiu com dois poemas para o filme ‘Manifesto 8M – Rosas da Sangue, questionou: “Nós, mulheres negras, salvamos homens, mas quem nos salva?”, antes de conduzir o grupo a cantar uma música celebrando a solidariedade feminina, tema absoluto do debate.

Depois do evento, o RioOnWatch conversou com Maria de Fatima Lima, conhecida como Fatinha Lima, moradora da Providência e fundadora do Favela Cineclube.

RioOnWatch: O que te motivou a começar o Favela Cineclube em 2016?

Fatinha: Na época, eu desejei ocupar espaços para a organização da militância de enfrentamento ao golpe jurídico-midiático institucional que abateu a democracia brasileira, já frágil. O fato de frequentar o Cineclube Mate Com Angu, de Caxias, na Baixada Fluminense, me deu a dimensão e a potência da atividade para promover encontros e debates.

RioOnWatch: Como a vida dos organizadores do Cineclube foi impactada pelo projeto?

FatinhaNós passamos de meros observadores,  passivos, indefesos a ativistas, midialivristas e realizadores das nossas narrativas. Hoje cobrimos pautas e debatemos o que nos interessa, o que é urgente, mas que a sociedade se recusa a fazer.

RioOnWatch: Quais mudanças ocorreram neste projeto desde seu início?

Fatinha: O projeto não mudou, ele se desenvolveu e cresceu. Nós começamos a investir em criação de redes de compartilhamento de informação e tecnologia. Tudo por assim dizer, o objetivo e o evento em si, continuam os mesmos, eu e as demais pessoas que seguem o cineclube, é que estão mudando. A minha mãe, que antes não se engajava em temas de direitos humanos, hoje, faz perguntas… Ela começou a perguntar e a se questionar sobre assuntos que antes, ignorava. Assuntos urgentes que fazem parte da luta por igualdade racial e social, consequentemente.

RioOnWatch: Quais são os planos futuros do Favela Cineclube?

FatinhaNossos planos são os de nos mantermos, para podermos seguir realizando as exibições para crianças e adultos, e os debates para a população adulta e favelada, que acreditamos que precisam fazer valer seu lugar de fala e começar a produzir sua própria narrativa. O primeiro passo, é entender o seu local, o seu território e ter direitos básicos adquiridos e respeitados. Como por exemplo, acesso ao cinema. Nesse sentido, existe o sonho da fundação de uma escola de cinema dentro da favela da Providência. Eu já tenho o local que gostaria que fosse: o prédio enorme de cinco andares, perto da minha casa, que hoje é ocupado pela PMRJ, sendo a sede da UPP do Morro da Providência. Gostaríamos de poder proporcionar a ida das crianças a outros lugares que pudessem ampliar a visão de mundo que elas têm. Assim, como poder disponibilizar cursos, materiais e equipamentos.

Resumindo, nossos planos são os de alcançar a sustentabilidade econômica, para poder seguir fazendo o que fazemos, que é contribuir para aproximar o cinema e o audiovisual da população da Providência, e estimular reflexões sobre cidadania e direitos humanos.