Últimas Notícias

Em Meio à Crescente Violência Religiosa-Racial, Caminhada Reúne Milhares Por Tolerância Religiosa

Click Here for English

Milhares de pessoas foram às ruas de Copacabana no domingo, 17 de setembro, para participar da 10ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa e exigir tolerância religiosa e respeito à luz da violência contínua contra os praticantes e os locais de culto das religiões afro-brasileiras como Candomblé e Umbanda. Múltiplos grupos religiosos de toda a região metropolitana participaram para mostrar uma frente unida contra a intolerância e a violência baseada no ódio. “A passeata é para a gente poder mostrar nossa cara, combater a intolerância e fazer com que as pessoas saibam que cada um tem seu espaço, que ninguém é melhor nem pior que ninguém, e principalmente todos têm a liberdade para expressar seu dogma, sua religiosidade, sua forma de pensar”, refletiu Saulo D’Iemanjá, um praticante de Umbanda da Zona Norte do Rio.

A manifestação anual foi realizada devido a um aumento de 40% nos casos relatados de intolerância religiosa de 2016 a 2017. De fato, somente nos últimos meses, houve uma onda de manchetes sobre vários crimes baseados na intolerância, especialmente na Baixada FluminenseUm caso, especialmente intenso, envolveu o apedrejamento à uma mulher idosa que ficou muito machucada. Incidentes como este têm aumentado em sua frequência. Grupos armados com ligações ao tráfico têm destruído locais e objetos religiosos, machucando e ameaçando indivíduos, em nome do cristianismo.

Como Saulo notou, “estes ataques não são novos”. Porém, enquanto ataques violentos já acontecem durante anos, há algo novo no fenômeno: “A gente está agora sob administração municipal de um bispo, que vestiu uma outra cara, uma outra pele, durante a campanha, falando de igualdade. A gente está começando a ver que já existe uma diferença”. O Prefeito Marcelo Crivella é um bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, uma denominação neopentecostal cristã acusada de intolerância religiosa, entre outros crimes, em lugares por todo o mundo. De fato, durante o seu tempo como prefeito, ele já presidiu um decreto que muitos criticaram como sendo preconceituoso em relação às religiões afro-brasileiras. O seu decreto, que criou uma plataforma para o licenciamento de eventos na cidade, dá à sua administração mais poder na decisão sobre quais os eventos que serão realizados e apoiados pelo governo municipal. Enquanto eventos religiosos são frequentemente rapidamente licenciados, eventos “culturais” não são; e em muitos casos os eventos religiosos afro-brasileiros são tratados pela prefeitura como culturais ao invés de religiosos e têm sido atacados por autoridades do governo. “O próprio exemplo é essa caminhada aqui. Até essa semana agora, não havia sido autorizada. Na verdade nem sei se houve [autorização] de fato”, lembrou Saulo.


Os líderes religiosos e ativistas decidiram realizar a manifestação apesar de não contar com a aprovação oficial da administração do prefeito e organizaram uma passeata bem-sucedida. Sendo ou não que grupos armados se sentem encorajados com as convicções do prefeito, o simples fato é que estes crimes baseados no ódio estão aumentando e envolvem não apenas discriminação religiosa, mas também discriminação racial. De janeiro de 2016 a maio de 2017, 1.828 casos de injustiça racial foram registrados no estado do Rio de Janeiro; as mulheres negras foram o alvo em 60% destes casos. As decisões e as atitudes de líderes políticos têm um impacto direto sobre como as comunidades e os grupos se comportam. Isto pode ser visto em lugares em todo o mundo en locais onde grupos de ódio estão crescendo com pouca reação política. Se o prefeito do Rio se manter no silêncio, estes ataques contra alguns dos mais vulneráveis da sociedade continuarão a crescer, trazendo à tona não apenas o estado da tolerância religiosa no Rio de Janeiro, mas também as predisposições morais do próprio prefeito.