Últimas Notícias

O Making of de uma ocupação urbana: Manoel Congo

Click Here for English

Uma noite de ocupação

Na véspera do Dia Mundial do Habitat, 01 de outubro de 2007, os organizadores do Movimento Nacional de Habitação (Movimento Nacional de Luta pela Moradia-MNLM) reuniu 126 pessoas em dois ônibus e se dirigiram para o centro do Rio, eles vinham planejando há meses a ocupação de dois edifícios abandonados, um público e o outro privado: um edifício público na Rua Alcindo Guanabara e o Cinema Vitória, na Rua Senador Dantas. Os organizadores começaram a realizar assembleias nos ônibus quando perceberam que tinham 50 pessoas a menos do que a meta de 180 pessoas para ocuparem os dois edifícios. A pergunta foi: “devemos ocupar ambos os edifícios ou apenas um? E se fôssemos ocupar apenas um, qual seria? No momento que soubemos que negociações em prédios privados abandonados eram mais difíceis, decidimos entrar no prédio de propriedade privada (o Cinema Vitória) e usar o espaço privado para levantar questões e queixas para debate público. Se fomos capazes de ficar, ficaríamos. Se não, pelo menos, teria registrado essas denúncias”, compartilha Lurdinha Lopes, um dos coordenadores nacionais MNLM,” Nós foram despejados em uma semana.”

“Nós já conhecíamos de antemão o prédio, e tínhamos várias orientações. Não era apenas chegar e dispersar, permitindo a cada pessoa explorar diferentes andares. Fomos juntos, ficamos juntos e nos organizamos em conjunto. Nós decidimos juntos quando dispersar. Por razões de segurança, não era para ir ao segundo andar na primeira noite. O desafio é ficar juntos. Finalmente, Acabamos todos organizados no segundo andar. Temos uma brigada de apoio, um grupo que se organiza para garantir a segurança. Este é o único grupo com autoridade para explorar o prédio todo, e deixar os outros pisos prontos para a ocupação por outros membros. Nós fomos capazes de explorar toda Cinema Vitória em oito dias.”

O grupo foi expulso em uma semana, mas os organizadores conseguiram lançar o debate público sobre os espaços urbanos abandonados. Eles escolheram o Cinema Vitória abandonado na Cinelândia no Rio, lugar famoso por sua concentração de teatros, para desafiar a configuração dos espaços privados do Centro. Antes da semana finalizar, o MNLM realizou uma exibição de um filme no antigo cinema, atraindo uma grande multidão, incluindo pipoca e lanterninhas.

 

Um mês de peregrinação na cidade do Rio

“Após a expulsão do Cinema Vitória, partimos sem saber para onde as famílias iriam.  Dormimos a primeira noite na sede da Conlutas (uma Central Sindical) e na noite seguinte, ocupamos um outro espaço de propriedade do governo estadual. Nós não sabíamos na época que ele havia sido designado para uma unidade de polícia, e o despejo veio muito rapidamente. O próprio governador deu a ordem. Fomos capazes de negociar com a polícia a tempo de permitir que as crianças pudessem dormir e comer, uma vez que havia passado o dia inteiro na rua. A polícia permitiu contra as ordens do governador. Nós até ouvimos gritos com o chefe de polícia no telefone.”

“Em seguida, fomos direto para o edifício do Instituto Nacional do Seguro Social, ou INSS (Previdência Social). De acordo com um estudo, o INSS é um dos maiores proprietários de imóveis abandonados, e este prédio foi um deles. Nós não fomos capazes de ficar lá, e fomos para outro edifício, onde o gerente do edifício nos expulsou. De lá, fomos dormir no Largo do Machado. Finalmente acabamos no Quilombo das Guerreiras, ocupação urbana comunitária companheira.”

Os organizadores do MNLM e as famílias passaram um mês em peregrinação por toda a cidade, depois de ter negociado sem um único confronto com a polícia. Às 10:00h do dia 28 de outubro, eles ocuparam e nomearam o edifício Manoel Congo (o edifício público originalmente identificado pela ocupação da Rua Alcindo Guanabara), onde ainda residem. “Uma ordem de despejo foi enviado dentro de 48 horas, mas como temos conexões em organizações governamentais diferentes, fomos capazes de obter 6 meses para obter o título. Chegamos uma noite, quando pensamos que não havia mais nada que pudéssemos fazer. O despejo foi marcada para 9:00h da manhã seguinte. Nós passamos as últimas noites reforçando a segurança interna e passando por cima do sistema de segurança com os idosos e as crianças. Nós mesmo isolamos pisos certos para eles, uma vez que ainda nos lembrávamos de um despejo violento no mesmo edifício em 2005. Preparamos mármores para as escadas, óleo queimado, colocamos correntes extras e tábuas nas janelas. Não tínhamos armas e não as usamos independentemente. Às 20:00h, recebemos o aviso de que o despejo foi suspenso e o governo do Estado irá comprar o prédio.”

 

Manoel Congo hoje

O governo do Estado ainda é proprietário do edifício Manoel Congo, e é importante notar que ele comprou o prédio do INSS com financiamento do Ministério das Cidade, que é um órgão governamental criado a partir das reivindicações dos movimentos urbanos para articular e coordenar as políticas urbanas em especial as de habitação, saneamento e mobilidade numa perspectiva da Reforma Urbana.

A reforma do Manoel Congo está dependendo de um processo de licitação, e uma vez que o trabalho esteja completo, a propriedade do edifício será concedida ao MNLM. Para completar a reforma será adicionado um financiamento para outras iniciativas, tais como: a formação profissional e programas de geração de renda. O MNLM escreveu uma proposta bem sucedida para um edital da Petrobras para projetos. A reforma inclui 42 apartamentos personalizados e espaço para educação, outros programas do MNLM e reuniões comunitárias.

A ocupação Manoel Congo é composta por 42 famílias e 120 moradores, a grande maioria vive ali desde a ocupação em 2007. Muitos, mas não todos, são ativistas MNLM.

 

Manoel Congo é a regra ou a exceção?

Ocupações urbanas no Rio geralmente variam entre uma ocupação repentina por um grupo de famílias organizadas com voluntários e ocupações organizadas dentro de um movimento social existente já com raízes em todo o país. Deste último tipo, há poucos, e geralmente se saem muito melhor que o anterior. Outro sobrevivente é o Quilombo das Guerreiras, localizado no bairro de São Cristóvão, no entanto, a comunidade aceitou uma oferta do governo da cidade para se mudar para um prédio de apartamentos na Gamboa nas proximidades. Além de ocupações organizadas por famílias com assistência de voluntários e as organizadas pelos movimentos sociais, a maioria restante eram ocupações muito individualizada: prédios abandonados ocupados por pessoas despejadas ou membros da população de rua. Eles geralmente vivem em condições horríveis e tem que lidar com o Choque de Ordem da prefeitura do Rio. (“Choque de Ordem” – repressão policial em atividade informal).

Lurdinha fala das ocupações urbanas no Rio, em perspectiva, citando a atual política pública da cidade: “Nós temos bastante edifícios abandonados no centro do Rio para abrigar pelo menos 40.000 famílias. Enquanto isso, o governo está expulsando e planejamento para expulsar pessoas de suas casas.”

 Assista ao vídeo para saber mais sobre a vida comunitária no Manoel Congo: