Últimas Notícias

Permacultura, agrofloresta, alimentos orgânicos, e muito mais que você não associa ao Alemão

Click Here for English

Complexo do Alemão, um complexo de favelas na Zona Norte do Rio de Janeiro, é talvez mais conhecido por sua história de violência relacionada ao tráfico de drogas e a ocupação da polícia. No entanto, os membros do projeto da organização Verdejar estão trabalhando para chamar a atenção para a área por uma razão completamente diferente.

O Verdejar foi fundado em 1997 por Luiz Carlos Matos Marins, conhecido como Luiz Poeta, que foi entrevistado pelo RioOnWatch antes de seu falecimento no final de 2011. A idéia de Poeta era criar trilhas e coleta de lixo na Serra da Misericórdia, que abriga o maior trecho da Mata Atlântica na Zona Norte do Rio de Janeiro, densamente urbana.

O Verdejar foi fundado como uma instituição em 2004, tendo como objetivo principal a conservação e recuperação ambiental da Serra. A Serra continua desprotegida pela legislação governamental, apesar do fato de influenciar diretamente o fluxo de água para mais de 2 milhões de habitantes da Zona Norte do Rio de Janeiro, e servir como abrigo para diversas espécies da Mata Atlântica, seus córregos e vegetação ajudam a regular a temperatura local, contribuindo assim para aliviar o efeito da ilha de calor. Ele também tem um papel importante no controle da poluição atmosférica na região mais poluída do Rio de Janeiro.

O Verdejar tem implementado projetos para o reflorestamento da Serra, além de preservar o que está lá. Em 1998, membros do Verdejar criaram um jardim para limitar o crescimento da comunidade “Sérgio Silva.” A organização também explica como os projetos ambientais na Serra podem melhorar a qualidade de vida dos moradores locais. Por exemplo, produtos orgânicos crescem no Serra, por meio de uma horta comunitária e sistemas agroflorestais.

Mesmo com as preocupações do Verdejar, as oportunidades que a conservação e preservação da Serra oferecem são abundantes. Edson, um co-fundador do Verdejar explica: “O desafio que enfrentamos é também a nossa oportunidade de trabalhar. Onde as pessoas vêem problemas nas favelas vemos soluções, onde as pessoas vêem um lugar de exclusão e miséria, vemos oportunidades.” Esta atitude se manifesta em resposta do Verdejar as suas lutas contra a ignorância generalizada sobre a importância de conservar e não destruir. A ênfase está na educação. Um dos resultados mais notáveis , tem sido a implementação de caminhadas através da Serra, usadas para atrair visitantes e para mobilizar a opinião pública em favor da preservação da floresta.

O Verdejar coloca muita ênfase na educação dos jovens e por isso desenvolveu um projeto chamado Estação Natureza. O projeto é realizado no Centro de Educação Ambiental, que após uma longa luta, foi concedido ao Verdejar pelo Governo Federal no Programa de Aceleração do Crescimento, ou PAC. O centro pretende ser um espaço na comunidade, onde programas de formação de educação ambiental podem ser organizados para gerar emprego e renda na comunidade através da gestão ambiental. O curso deste mês, permacultura em 2 semanas foi um enorme sucesso, trazendo as pessoas do Alemão, de toda a cidade e de outros estados.

O centro oferece cursos em vários assuntos, incluindo audiovisual, fotografia, artes visuais e aulas sobre meio ambiente, e existem atualmente 15 jovens moradores envolvidos, de várias comunidades do Alemão. A partir deste treinamento de 5 meses os alunos lançaram uma exposição com 40 fotos, 2 filmes e objetos feitos de material reciclado.

Bem como a formação de estudantes jovens, o Verdejar está agora desenvolvendo planos para difundir o conhecimento dentro da sala de aula para a comunidade, e além. Ele vê o centro como um lugar para acolher a comunidade e integrar os movimentos sociais com o objetivo final: A Transformação Social.

Agradecemos ao Verdejar, O Alemão é uma das oito comunidades destacadas no filme da Comunidades Catalisadoras, “Favela Como Modelo Sustentável” realizado para o lançamento na Rio+20.