Últimas Notícias

‘Os Artistas Cidadãos’ do Cine & Rock, em Rio das Pedras #RedeFavelaSustentável [PERFIL]

Perfil da Rede Favela Sustentável*

Iniciativa: Cine & Rock
Contato: Blog | Facebook | Email
Ano de Fundação: 2013
Comunidade: Rio das Pedras
Missão: Promover o fortalecimento da cidadania plena e da justiça social através do desenvolvimento das culturas urbanas como meio democrático de transformação social.
Eventos Públicos: Conjunto de ações afirmativas como ensaio das bandas em estúdios, exibição de filmes, apresentações de bandas de rock com shows ao vivo em praças públicas para um público adulto e infantil. Confira a página do Cine & Rock no Facebook para mais informações.
Como Contribuir: Divulgue e participe dos eventos, apoie financeiramente a iniciativa. A iniciativa está precisando de computadores.

Ao chegar de tarde na comunidade Rio das Pedras, na antiga Praça dos Pinheiros, conhecida hoje como Praça dos Rockeiros, visitantes curiosos podem se deparar com crianças de todas as idades, brincando de perna-de-pau ou fazendo capoeira, acompanhadas por Léu Oliveira, fundador do Movimento Cultural Cine e Rock.

Originário de Brasília—considerada capital nacional do Rock—Léu se formou em Ciências Sociais com ênfase em Produção e Políticas Culturais. Ao longo do seu percurso, se especializou em comunicação social e produção cultural. Enquanto produtor cultural, membro do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC) e parecerista do Ministério do Cultura, Léu sempre considerou a arte como agente potente de transformação social e cultural. Para tal, dentre outras, ele tem trabalhado com técnicas do Teatro do Oprimido.

‘Essa praça aqui era um grande lixão’

Em 2009, Léu chegou ao Rio de Janeiro e através de amigos do Rock, descobriu Rio das Pedras e particularmente a Praça dos Pinheiros. Na Praça dos Pinheiros, jovens e adolescentes se encontravam para bater papo, beber, ouvir e tocar Rock, formando a partir de 2012 o Coletivo Rockeiros do Pinheiro em Ação.

Rio das Pedras, uma das maiores favelas do Rio de Janeiro, na época vivia sobre pressão por poderes locais. Na verdade, eu não sou do Rock. Eu sou da cultura popular, do teatro. Trabalhei muito como palhaço”, disse Léu ao relatar seu percurso. “Mas naquele momento, o Rock estava sofrendo uma grande opressão. Poderia ter sido qualquer outro movimento musical, como o funk, o rap por exemplo”.

“A segurança local não queria ter dor de cabeça, jovens reunidos traziam o medo de dar problema. Então eles botavam armas nas caras dos meninos e finalmente expulsaram eles da praça”, explicou Léu. Os jovens tentarem se reunir em outra praça de Rio das Pedras, a Praça do Pistão, mas acabaram sendo expulsos de la também. Além disso, os rockeiros sofriam de uma forte estigmatização da parte dos moradores de Rio das Pedras, considerados como “marginais, sujos, filhos do demônio”.

Para sair desta situação, Léu decidiu “tomar a frente com a galera para limpar o grande lixão que era a Praça dos Pinheiros”. Então, em março de 2013, os Rockeiros do Pinheiro em Ação organizaram uma tarde de mutirão, reunindo 54 crianças e jovens para transformar não somente a imagem da praça, mas também a imagem do rock dentro da própria comunidade. “A galera se juntou em busca de um pertencimento territorial”, conta Léu. Após a limpeza e a criação de uma horta no local, os jovens rockeiros ocuparem o Centro de Convivência da Prefeitura situado na praça, que estava sem uso a muito tempo. Eles organizavam regularmente shows de rock e projeção de filmes ao ponto da iniciativa trocar de nome e se tornar, em 2013, Cine & Rock. Em 2015, a Prefeitura expulsou os rockeiros do Centro de Convivência.

Porém, no início de 2015 o Cine & Rock foi contemplado com o prêmio Ações Locais, da Prefeitura do Rio, que reconheceu que o Cine & Rock é o primeiro e único ponto de cultura com a linguagem do rock no Rio de Janeiro. Com a verba do prêmio, a iniciativa adquiriu um ônibus que foi transformado em um estúdio móvel, permitindo levar suas atrações a vários lugares. Assim, foi criada a Caravana Cine & Rock de valorização da cultura urbana em praças públicas, e as atividades do Cine & Rock continuaram, passando a ser realizadas em praças ao redor do país.

No entanto, Em 2016, graças a várias doações, principal meio de financiamento do movimento, o Cine & Rock pôde finalmente começar a construir sua própria sede na praça.

A Chegada da Criançada, Uma Transformação Progressiva

Como único movimento social e cultural ativo de Rio das Pedras, o Cine & Rock luta no cotidiano contra a falta de acesso a bens culturais e oportunidades à produção cultural. No seu blog, Léu explica que a filosofia do movimento é baseada na valorização das “pedagogias urbanas”. O objetivo do movimento é “buscar contribuir para que outras pessoas, especialmente jovens, possam se tornar sujeitos de suas ações, protagonistas de suas vidas e agentes de transformação social”. Para isso, o Cine & Rock se baseia nas artes e culturas urbanas como meio democrático de transformação social e de construção de uma cidadania plena para os jovens de favelas.

Apesar de ter sido inicialmente pensado como um movimento para jovens adultos, “com o tempo, a criançada veio tomando o Cine & Rock”, brinca Léu. De fato, ao longo dos anos, irmãos e amigos começaram a se juntar aos adultos. “Finalmente, a partir de 2017, os adultos meteram o pé, e sobraram as crianças”, descreve Léu, olhando fotos. A maioria está hoje estudando ou trabalhando. Mas três dos integrantes originais—Léu, Diego Gomes e Daniel Araujo—continuam na coordenação do grupo.

Até setembro de 2018, o Cine & Rock havia cadastrado 194 crianças entre 4 e 10 anos. Todas as crianças de Rio das Pedras são bem-vindas, contanto que elas estejam matriculadas em escolas públicas. Com a chegada da nova geração, as atividades do movimento se ampliaram com outras modalidades, sendo elas: perna-de-pau, vídeo games, pingue-pongue, aulas de capoeira e rodas de rimas. Abertas a todas as crianças cadastradas, as atividades dão vida a sede. Veja abaixo o quadro de horário das atividades do Cine & Rock.

Além das atividades semanais, o Cine & Rock organiza eventos pontuais abertos ao público como a Festa das Crianças, e recebe outros como o 1º Encontro Mundial de Pernas-de-Pau. Ele também financia e acompanha as crianças em eventos fora de Rio das Pedras, como nos exemplos o e 3º Intercâmbio da Rede Favela Sustentável (RFS).

Casa Coletiva e Construção de Autonomia

“Formação social e cultural sim, mas educação não é por minha conta. O principal aqui é a construção de autonomia“, explica Léu. Eu não sou tio, não sou padrasto, não sou babá e acima de tudo, o Cine & Rock não é um depósito de crianças! É uma casa coletiva”. Todas as crianças são responsáveis pela organização da casa. Elas participam da limpeza da casa, da preparação do comida e da manutenção da horta. Além disso, “quando faltam na aula, eles não podem voltar na sede até ir na escola de novo”, relatou Wesley Pereira, um dos dois monitores. A partir dos quinze anos, os que querem, podem ser monitor. Eles são responsáveis pelo cuidado dos mais novos, “mas na verdade, cada um cuida do outro”.

O movimento cultural Cine & Rock vai continuar lutando pelo acesso aos bens culturais para jovens e crianças de Rio das Pedras. “Porque se você trabalha com cultura, educação, esporte, lazer e saúde, você não precisa de presídio. Você estará na construção de uma cidadania plena. Isso é segurança pública preventiva!” diz Léu.

*Cine & Rock é um dos mais de 100 projetos comunitários mapeados pela Comunidades Catalisadoras (ComCat)–a organização que publica o RioOnWatchcomo parte do nosso programa paralelo ‘Rede Favela Sustentável‘ lançado em 2017 para reconhecer, apoiar, fortalecer e expandir as qualidades sustentáveis e movimentos comunitários inerentes às favelas do Rio de Janeiro. Siga a Rede Favela Sustentável no Facebook. Leia outros perfis dos projetos da Rede Favela Sustentável aqui.


Apoie o jornalismo hiperlocal, crítico, inovador e incansável do RioOnWatch. #QueroReportagensSobreFavelas—doe aqui.