Últimas Notícias

Crime e Castigo: Comentários Sobre uma Semana de Violência no Rio

Click Here for English

Nesta semana de extrema violência na cidade do Rio de Janeiro, uma série de acontecimentos causaram ondas de choque nas mídias sociais, ressaltando a situação alarmante da segurança pública da cidade e de suas desigualdades sociais e raciais, assuntos que estão provocando debates intensos à medida que cidadãos buscam um Rio mais seguro.

Choques de violência em comunidades pacificadas

Na última manhã de sexta-feira, dia 31 de janeiro, o mecânico de 33 anos Edilson Rodrigues da Silva Cardoso saiu de sua casa na Rocinha para fumar um cigarro e foi morto, baleado no peito, ao meio de um tiroteio entre a polícia e traficantes na favela da Zona Sul controlada pela UPP. Somente cinco dias antes, na segunda-feira, dia 7 de janeiro, também na Rocinha o adolescente de 16 anos Thales Ribeiro de Souza foi morto por um tiro nas costas. Nenhuma das vítimas tinha envolvimento com o tráfico.

Em sua coluna no Jornal do Brasil, o líder comunitário Davison Coutinho escreveu: “O que está acontecendo, o que o governador e seu secretário de segurança têm a dizer para essas famílias e para essa comunidade aterrorizada? Estou curioso pra ouvir as desculpas. Será que mais uma vez as vítimas serão julgadas como criminosas? Afinal, assassinado na favela é bandido e no asfalto é vitima.” Não houve qualquer explicação ou pronúncia pública sobre essas mortes.

Conflitos violentos entre a polícia e traficantes de comunidades reguladas por UPPs continuaram durante o fim de semana, com tiroteios na Rocinha, no Complexo do Alemão e na Vila Cruzeiro. No domingo, dia 2 de fevereiro, a PM da UPP Alda Castilho, de 22 anos, foi morta com um tiro na cabeça no Parque Proletário da Vila Cruzeiro. Outro policial militar e dois moradores foram feridos. A página da comunidade no Facebook, Vila Cruzeiro-RJ, publicou notícias ao longo do dia de tensão, inclusive compartilhando um vídeo registrado por um morador mostrando PMs da UPP atirando aleatoriamente, o que não só ajudou a informar os moradores que queriam voltar às suas casas seguramente, mas também denunciando a primeira reportagem que não divulgou que moradores tinham sido feridos. No dia seguinte, a página publicou, “Chega de violência! Queremos paz e serviços sociais, pois a Vila Cruzeiro está totalmente abandonada.”

A morte de um policial costuma provocar uma reação rigorosa das forças de segurança do Rio. Após o confronto de domingo, o Secretário de Segurança do Estado José Mariano Beltrame anunciou que haverão operações em doze locais onde atua a facção responsável pela morte de Castilho. Na manhã de terça-feira, dia 4 de fevereiro, em uma dessas operações no Morro do Juramento na Zona Norte, seis pessoas foram mortas e quatro ficaram feridas. Operações policiais ocorriam simultaneamente na Santa Cruz, Vila Kennedy e na Baixada Fluminense.

Reações à última operação da PM

Imagens chocantes da operação violenta no Morro do Juramento começaram a circular a Internet instantaneamente. Na página PMERJ FEM do Facebook, um portal não oficial da polícia militar feminina do Rio, imagens de corpos e escadas ensanguentadas foram compartilhadas com a legenda: “A resposta da morte da SD Castilha e SD Rocha [a segunda morta em uma tentativa de assalto em Marechal Hermes no sábado, dia 1o de fevereiro], ambos mortos no último fim de semana, está sendo dada!” A publicação, assim como a posição da PM que aparentou favorecer a violência vingativa, foram altamente denunciadas nas redes sociais pela comunidade e por ativistas de direitos humanos. A publicação foi depois removida.

As imagens circularam com comentários do tipo “bandido bom é bandido morto” e “direitos humanos são para humanos direitos”, sugerindo uma atitude que serve para justificar as mortes por policiais no Rio. Comentando online, o fotógrafo e ativista Raull Santiago postou, “A polícia declara guerra/vingança em rede nacional, entra nas favelas assassinando a esmo, faz jorrar valas de sangue pelos becos e vielas… Enquanto isso, a sociedade acomodada, alienada e hipócrita aplaude com louvor esse tipo de ação, legitimando o ódio, a morte, o caos”.

A legitimidade e legalidade das ações policiais de terça-feira estão sendo questionadas. Na quarta-feira, o perito Leví Inimá de Miranda declarou abertamente que acreditava que a polícia tenha realizado execuções e sabotado qualquer possibilidade de inquérito forense ao levar os corpos ao hospital. Falando ao GLOBO, ele disse: “Posso afirmar que os homens fotografados já estavam mortos e, portanto, são grandes os indícios de execução. Ou seja, removeram cadáveres para desfazer o local.”

Moradores de favelas há muito tempo vêm denunciando a violência da PM nas comunidades, assim como ações ilegais como essa, e continuam a desabafar. Em um artigo publicado na semana passada no jornal O Cidadão da Maré, a jornalista comunitária e ativista Gizele Martins escreveu: “Nós não nos calaremos nunca enquanto houver pobre, negro e favelado sendo exterminado. O que queremos é ter o direito à cidade. Queremos ter o direito de existir, de ser, de viver, de se sentir parte e não margem deste tal sistema que apenas controla e mata favelados todos os dias”.

Ataque por grupo de “justiceiros” no Flamengo

Outro incidente violento dessa última semana aconteceu no bairro do Flamengo na Zona Sul, escandalizando muitos e gerando discussões raivosas. Na madrugada de sexta-feira, dia 31 de janeiro, um grupo de jovens brancos de classe média torturaram um rapaz negro suspeito de roubo, prendendo-o nu a um poste com uma trava de bicicleta no pescoço. A imagem rapidamente se difundiu pelas redes sociais e o grupo chamado de “justiceiros” foi tanto condenado quanto apoiado num debate moral altamente controverso.

Muitos moradores de bairros como o Flamengo, onde crimes e assaltos têm aumentado nesses últimos meses sem que uma segurança maior tenha sido imposta, têm aplaudido e defendido os vigilantes que “fizeram justiça com as próprias mãos”, revelando que existe uma onda fria e obscura de medo e aversão. No Twitter, eis alguns comentários ao acontecimento: “Não é bárbaro se é auto defesa preventiva da sociedade contra vagabundo!”; “É assim que tem que fazer com esses filhos da puta”; “Deveria ter sido morto!”; e “Está com pena dele? Leva para casa”.

Comentários do gênero não ficaram só nas mídias sociais. Na quarta-feira, a âncora do Jornal da SBT Rachel Sheherazade disse, “Num país que sofre de uma violência endêmica, a atitude dos ‘vingadores’ é até compreensível… o contra-ataque aos bandidos é o que chamo de legítima defesa coletiva de uma sociedade sem Estado contra um estado de violência sem limite”. A sua diatribe foi muito compartilhada e criticada, inclusive pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais que divulgou uma nota de repúdio à “violência simbólica dos recentes comentários” da jornalista que “violou os direitos humanos, o Estatuto da Criança e do Adolescente e fez apologia à violência”.

Muitos outros, entre eles ativistas de comunidades e defensores dos direitos humanos, também têm verbalizado choque e ultraje em relação ao incidente e à repercussão. Muitos comentários apontaram à uma continuidade ao passado brutal da escravidão no Brasil, comparando a imagem recente do adolescente preso ao poste a uma forma de punição escrava violentíssima do século XIX. Uma dessas imagens levou a legenda “O racismo sempre se camufla de justiça para agir”. Num artigo da Carta Capital que se popularizou pelas redes sociais, o jornalista Matheus Pichonelli escreveu: “Este país que aplaude o justiçamento é o mesmo que ignora uma questão histórica: o açoite é causa, não consequência, da tragédia–e esta não foi abolida com o fim da escravidão”.

As claras dimensões de raça e de classe dos crimes e tragédias da última semana foram ressaltadas por acadêmicos conceituados do Rio, que comentaram sobre os eventos. A professora e pesquisadora de Comunicação e Cultura da UFRJ Ivana Bentes publicou: “A guerra no Brasil é uma só: contra os pobres! Onda racista e fascista no Brasil neoescravocrata. É o mesmo teatro do biopoder, poder sobre a vida e sobre os corpos negros e pobres: bestializar, destituir a humanidade, animalizar, apresentar como ameaçadores, chacinar, humilhar e transformar em objeto de ódio. Os ‘justiceiros’ imitam a policia que por sua vez chacina e massacra usando a cor e o grupo social como critério de justiçamento”.

Luiz Eduardo Soares, renomado especialista em segurança pública, publicou uma nota traçando a hipótese de que a tortura pelo grupo de jovens brancos de classe média e o seu ato de despir e prender ao poste o adolescente negro é uma reação inconsciente aos “rolezinhos” que vêm “dramatizando migrações democráticas, eliminando fronteiras entre o centro e a periferia, deslocando a violenta e iníqua supremacia de cor e classe”.

Não somente as questões de classe social e raça são essenciais à análise dos últimos acontecimentos no Rio e de seus problemas de segurança maiores, mas também a cultura da impunidade permite que tais incidentes de violência aconteçam. No Rio, a impunidade parece se estender tanto aos ladrões que assaltam diariamente nos bairros mais ricos da cidade quanto aos policiais e traficantes que matam nas favelas. Na ausência escancarada de um sistema judiciário eficaz, a vingança–como praticada pelos justiceiros e PMs na semana passada–começa a ser vista como uma substituta cabível.

Ao falar sobre esses eventos recentes na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) na última terça-feira, o Deputado Estadual e coordenador da Comissão de Direitos Humanos Marcelo Freixo advertiu contra confundir vingança com justiça, e convocou um debate extenso sobre o que aconteceu. Freixo disse: “É neste momento que venho reafirmar a defesa de uma cultura de direitos para todos. Desde o policial que precisa de mais condição de trabalho, a qualquer um destes jovens que sobrou de uma sociedade mercado de trabalho, que nunca teve o direito de ir e vir, de educação. Não é confundindo justiça com vingança que vamos construir uma democracia. Estes dois exemplos devem ser debatidos exaustivamente nas escolas públicas e privadas, no parlamento, nas igrejas, para dizer qual modelo de sociedade a gente quer”.

Os acontecimentos violentos da semana passada definitivamente instigaram debates fervorosos na mídia impressa e virtual, assim como nos bares, escritórios e ruas em todos os cantos da cidade. Que esses eventos tenham gerado um desconforto social, um maior e mais profundo escrutínio e contestação pública é um sinal promissor de que a cultura e as condições que permitem que a violência continue podem, enfim, levar a mudanças. Assim, o Rio poderá finalmente caminhar em direção a um futuro mais seguro para todos, como todos tanto desejam.

Quer garantir o futuro do RioOnWatch?

A doação mensal é a maneira mais sustentável e eficiente de apoiar nosso trabalho incansável e contínuo em prol das favelas do Rio. Comece seu apoio hoje mesmo. CLIQUE AQUI PARA APOIAR.