Últimas Notícias

Orgulho Comunitário: Uma Entrevista com Gilmar Lopes do Morro dos Cabritos

Gilmar Lopes

“É um lugar maravilhoso cercado pela natureza e é onde nasci, fui criado, e onde tenho minhas raízes!” – Gilmar Lopes

Apesar dos estereótipos negativos associados à vida nas favelas, a realidade é que a maioria dos moradores estão felizes e têm orgulho de residir nas próprias comunidades. De acordo com um estudo feito pelo Data Popular, 85% dos moradores gostam de seu próprio lar, 80% tem orgulho de onde moram e 70% seguiriam morando na própria comunidade mesmo se dobrasse sua renda.

Gilmar Lopes nasceu e foi criado no TabajarasMorro dos Cabritos, favelas localizadas em Copacabana, na Zona Sul do Rio. Oficialmente, o censo reporta que Cabritos tem 5 mil pessoas, mas Gilmar diz que a Associação de Moradores estima que o número verdadeiro seja entre 16 e 18 mil.

Desde a infância Gilmar esteve sempre muito ligado à sua comunidade, formando muitas amizades enquanto coletava e vendia ervas no mercado. Aos 22 anos, ele se apaixonou por uma inglesa e se mudou para Londres onde morou por 15 anos trabalhando.

Ao voltar de Londres, Gilmar fundou duas organizações: a Casa Eco Esportiva Sócio Cultural (CEESC) e a Tabritur. A Tabritur é uma empresa de turismo comunitário na qual ele mesmo guia grupos de turistas ao redor de sua favela. Como ele explica, a Tabritur surgiu da CEESC–um espaço na comunidade criado para ser alugado para eventos comunitários e particulares, além de encontros. Nós tivemos a oportunidade de entrevistar o Gilmar em seu terraço para melhor entender por que ele escolheu voltar para sua vida no Morro dos Cabritos e porque a realidade da vida na favela é tão diferente da visão estigmatizada de quem é de fora.

RioOnWatch: Quais são suas primeiras memórias de morar no Cabritos?

Gilmar: A água descendo após a chuva, porque aqui passava um riozinho em frente da minha casa e aí eu ficava sempre brincando com as pedrinhas. Acho que essa é minha primeira lembrança do Cabritos, mas agora eu tenho lembranças daqui que são da vida inteira.

RioOnWatch: Você morou no Cabritos sua vida inteira?

Gilmar: Não. Morei no Cabritos e morei em Londres 15 anos. Eu fui para lá por causa de um relacionamento que eu tive, uma paixão. Eu fiquei 15 anos em Londres e esses 15 anos eu trabalhei em um buffet. Então, eu acabei ficando em Londres como conquistador do mundo. Mas meu objetivo sempre foi voltar para casa.

RioOnWatch: Porque?

Gilmar: Porque quando fui pra Londres, já tinha um projeto de voltar e fazer o que estou fazendo!

RioOnWatch: Nos conta mais sobre o CEESC?

Gilmar: A CEESC CULTURA & Cia. (Casa Eco Esportiva e Sócio Cultural) é uma realização pessoal. Tive a vontade de criar um espaço misto, onde eu pudesse conquistar uma sustentabilidade econômica, enquanto ajudava a resolver alguns problemas da minha comunidade: oferecendo cursos, oficinas e eventos sociais, culturais e de geração de renda. Estas são as propostas do CEESC. Já conquistamos o espaço, temos alguns parceiros nacionais! Nosso atual desafio é de encontrar parceiros nacionais e estrangeiros que queiram nos ajudar a realizar esta ação e transformar o CEESC em um local onde as pessoas dentro da própria comunidade possam encontrar oportunidades.

RioOnWatch: E a Tabritur, como é que começou?

Gilmar: O CEESC é a origem da Tabritur. Sua função é gerar oportunidade qualificada para os moradores afim de prestar um serviço de turismo comunitário de qualidade. O tour é conduzido por moradores, fundamentado por um estudo do potencial turístico da comunidade feito em parceria com a Sebrae em 2012 e 2013. Ficou expresso que nossa comunidade se acha pronta para receber turistas, ainda que achem que o governo precise fazer mais pela comunidade.

RioOnWatch: Qual é a sua visão sobre o turismo em favelas?

Gilmar: O turismo de favela é uma forma de inclusão das mesmas no circuito turístico da cidade, gerando renda, oportunidade e qualificação para seus moradores.

RioOnWatch: Quando é que o turismo em favelas é produtivo? Quando é que não é?

Gilmar: É produtivo quando a renda gerada fica na comunidade, criando oportunidades para os seus moradores! Não é quando se faz “safari tour” tratando os moradores e a própria comunidade como animais no zoológico!

O turismo produtivo conta com a intenção do visitante de conhecer este ambiente e território, que é uma novidade para ele. Quando o guia é preparado e qualificado, ele orienta o turista sobre o que é correto de se fazer na comunidade. Tipo sobre fotos… E lugares por onde pode se andar.. E garante a continuidade do projeto pelos moradores. Um bom guia tem que estar preparado para prestar um serviço de qualidade, para o turista e para a própria comunidade.

RioOnWatch: Qual é o impacto da Tabritur na comunidade?

Gilmar: Seu impacto é enorme, para os moradores, para o empreendimento local, e para a cidade do Rio de Janeiro, produzindo um turismo de qualidade fundamentado em estudo produzido pela Sebrae e Infnet.

RioOnWatch: Você gostaria de morar no Cabritos o resto da sua vida?

Gilmar: Sim, eu gostaria de ter a minha casa no Cabritos para o resto da vida. Morar, eu quero morar em muitos lugares do mundo–não significa que eu não posso viajar, até mesmo no Brasil. Eu não conheço quase nada do Brasil. Têm muitas possibilidades, mas atualmente a minha vida é no Cabritos. E eu sou maravilhosamente feliz aqui.

RioOnWatch: Se você tivesse a oportunidade de morar no asfalto, você deixaria o Cabritos?

Gilmar: Não, eu já deixei o asfalto para morar no Cabritos. Eu tinha um apartamento na Rua Pompeu Loureiro–uma das ruas mais reservadas de Copacabana, movimentada, mas com pouco comércio, bem situada, ótima rua de acesso à Lagoa. E eu vendi esse apartamento para realizar este sonho aqui que era construir o CEESC.

RioOnWatch: O que você gosta da vida na favela?

Gilmar: A favela tem áreas boas e áreas que não são tão boas. Eu escolhi viver aqui porque aqui eu tenho uma paz, tenho uma vista, tenho silêncio, tenho tranquilidade, e tenho um ar maravilhoso. Não tem poluição aqui encima. Então, a qualidade de vida daqui da favela, da nossa favela, é um ‘quê’ a mais para eu escolher e preferir morar na favela, do que em outro lugar. E eu nasci e fui criado aqui. Então meus amigos, todo mundo está aqui. Eu penso que nunca vou deixar de morar aqui. Eu posso viver em outro lugar, mas minha casa sempre vai ser aqui.

Cabritos

RioOnWatch: Como é a cultura da favela?

Gilmar: Eu adoro a cultura que a gente tem aqui, o samba, o pagode, a vida de interior. Quando você vive no interior, você fica jogando dominó na rua. Isso você não pode fazer do mesmo jeito [no asfalto]. Aqui a gente está em Copacabana, mas [ao mesmo tempo,] na nossa rua principal, você vê pessoas jogando cartas, jogando dominó, as crianças livres. E hoje em dia com muito menos medo, mais livres e mais à vontade. Isso também é com certeza um fator que me faz gostar mais da favela ainda. Agora que a gente tem paz, é perfeito.

RioOnWatch: Então você está contente com a pacificação?

Gilmar: A UPP é parte de um pacote que o governo prometeu para as favelas. Esse pacote incluía educação, saneamento, mobilidade, e segurança. Só entrou a UPP [a segurança]. A segurança agora é muito melhor–hoje, morrem muito menos pessoas do que morriam antes. Inocente ou não é outra história. Quem garante que antes não morria muito inocente e que ninguém ficava sabendo? Hoje, se morre um inocente, todo mundo fica sabendo. O jornal entra, entra todo mundo e falam que morreu um inocente–é fácil hoje a mídia ressaltar isso. É por isso que a gente vê casos de pessoas inocentes sendo baleadas nas favelas. Mas quem sabe que antes da pacificação isso não acontecia e era omitido porque a mídia não conseguia entrar?

RioOnWatch: Você se sente seguro na favela em comparação com o asfalto?

Gilmar: Mais do que em Copacabana porque na favela deixo minha porta aberta, deixo a chave da minha moto ali, e ninguém rouba. Pessoas que não conhecem a favela acham perigoso. Quem conhece a nossa favela sabe que não ha um problema de segurança. Problema de segurança pública é do Rio de Janeiro, não é da favela. Se o governo não entra em uma favela e não faz o que ele deveria fazer, não é a culpa da favela, é culpa do governo porque ele renegou o território onde as pessoas são normais–elas pagam seus impostos, trabalham, estudam, praticam esporte, gostam de música. São normais! Porque renegar o território? Então, você pode tomar um tiro de uma bala perdida na favela como você pode tomar um tiro de bala perdida no asfalto, em um banco de Copacabana, Ipanema, ou Leblon.

RioOnWatch: O que você sente que os moradores, em geral, gostam da favela?

Gilmar: As pessoas da comunidade gostam da paz, do senso de comunidade. Se precisar de um açúcar, você pede ao seu vizinho; se alguém passa mal, rapidamente aparece um monte de pessoas para levar você para o hospital. Então, a gente tem isso que cria um senso mesmo de comunidade formado por pessoas que vivem em prol de um só objetivo: o objetivo do senso social e o do associativismo! Uma vez que estivermos unidos, o povo é muito mais forte. E se formos organizados, nos tornamos também mais inteligentes! Não ficaremos totalmente dependentes do poder público que nem os seus próprios problemas conseguem resolver, muito menos ajudar e orientar o povo!

RioOnWatch: Como é que pessoas interessadas em conhecer o seu trabalho com o CEESC, ou fazer um tour pela Tabritur, podem entrar em contato?

Gilmar: Estamos em parceria com a ESPM, produzindo o site www.CEESC.com.br, temos uma página no Facebook como Ceesc Cultura &Cia. E através do telefone: +55-21-99369-2844.