Últimas Notícias

Edivandro Rosa, Deficiente Visual da Maré, Faz do Atletismo sua Profissão

Click Here for English

Quem circula pela Vila Olímpica da Maré de manhã já sabe quem treina por lá: Edivandro Rosa, de 38 anos, que fez do espaço um degrau para conviver com a cegueira. Morador da Vila do Pinheiro, já viveu em casa de palafitas e na Rua do Canal. Quando pequeno, ajudava sua mãe a sustentar a casa catando latinhas. “Eu fazia isso para sobreviver. As vezes não tinha o feijão, não tinha o arroz. Mas minha mãe era batalhadora e por isso a gente nunca dormiu com fome”, afirma.

Aos 20 anos, descobriu o glaucoma, uma lesão no nervo dos olhos. Mesmo com tratamento, aos 33 anos perdeu totalmente a visão e passou a perceber o mundo de outra maneira. Esteve com depressão durante dois anos.”De lá pra cá eu passei por muita coisa, mas eu consegui vencer”. Entender e aceitar o futuro dali para a frente era um grande desafio. Mas sua vida mudou.

Conheceu o Projeto Jaqueline Terto em 2013 e desde então aprendeu a praticar o atletismo. Acorda às 4h da manhã e anda cerca de 1 km sozinho até chegar na Vila Olímpica da Maré. “Meu treinamento diário é uma preparação para as aulas. Meu dia a dia é atletismo puro”.

2

Para treinar com qualidade, recebe assessoria do projeto, que é composto por profissionais de diferentes áreas: yoga, capoeira, hidrocapoeira e hidroterapia. Outro apoio é o benefício social da Prefeitura do Rio, que ajuda a manter sua casa.

Edivandro é um homem solteiro, por isso tem mais tempo livre para se dedicar à profissão. A mãe, que mora junto e é chamada de guerreira, acompanha, mesmo de longe, todas as competições. A falta de visão não o impede de nada. “Eu só fico triste com algo que eu deixei de fazer”, conta ele.

A maior felicidade da vida do atleta são suas conquistas. Ele já participou de inúmeras maratonas, coleciona medalhas e tem em sua estante dois troféus. Um deles recebeu recentemente, por ficar em segundo lugar na Ultramaratona dos Anjos Internacional 2016. A prova de 235 quilômetros foi realizada na cidade de Passa Quatro (MG), subindo e descendo as montanhas de Minas Gerais. Os atletas passaram por cinco territórios, um deles foi a cidade de São Lourenço. Edivandro foi acompanhado por quatro atletas sem deficiência física e mostrou que não há limitações: completou 26 horas de prova.

foto-edivandro-costa-perfil

“Por eu ter passado dessa prova, eu posso dizer que venci. Meu maior sonho é ser reconhecido internacionalmente. Mas acho que estou perto. Essa prova vai me proporcionar muita coisa boa ainda”, conta ele, com um sorriso no rosto.