Últimas Notícias

No Risco do Circo no Risco da Vida: A Arte Circense e a Transformação Social na Praça Onze [RESENHA]

Click Here for English

Parte do Festival Reimagine Rio realizado pela Rise Up & Care, o filme No Risco do Circo no Risco da Vida dirigido por Kátia Lund e Lili Fialho conta a história do Circo Crescer e Viver localizado na Praça Onze, no Centro do Rio. Fundado pelos amigos de infância Vinicius e Júnior, o circo é um lugar de refúgio, inspiração e desenvolvimento pessoal para os jovens da comunidade local e de todo o Rio de Janeiro.

O circo fica no local que era um estacionamento abandonado utilizado para armazenamento de caminhões de reboque durante a noite e local de prostituição e uso de drogas durante o dia. O circo foi transferido após Vinícius e Júnior serem despejados do seu local original em Nova Iguaçu na Baixada Fluminense. Atualmente, o circo oferece treinamento em artes circenses para jovens de 7 a 17, e também um Programa de Formação de Artista de Circo e apresentações regulares no circo.

screen-shot-2016-08-30-at-10-42-31

No Risco do Circo no Risco da Vida traz à tona a importância social do circo e de suas atividades. Na estreia do filme na Praça Onze no dia 11 de agosto, Vinicius, fundador do Circo Crescer e Viver, disse que o filme o ajudou a “começar a entender a dimensão do que fazemos”. Júnior repetiu o mesmo sentimento de seu co-fundador: “Ninguém consegue compreender a dimensão e a complexidade do impacto que temos aqui”.

Com imagens de crianças fazendo saltos acrobáticos na rua ou ensinando uns aos outros novos truques, o filme acompanha as histórias de alguns dos alunos na preparação para seu espetáculo mais esperado, Gira.

screen-shot-2016-08-30-at-10-43-33

Alessandro, também conhecido como o Gigante, tem 15 anos e participa do circo há oito anos. Francisco de 13 anos pertence ao grupo há seis anos. A dupla fez uma performance acrobática impressionante antes da estreia do filme. Ambos amam o circo e acreditam que esta seja uma maneira de crescer e aprender e um lugar para dar expressão ao seu eu artístico.

Djeferson, que é um homem de grande estatura, desafia todos os estereótipos quando entra no mundo do circo como trapezista. Em 2003, depois de ter tentado a Escola Nacional de Circo e ser rejeitado por três anos seguidos, ele viu seus sonhos desaparecerem. Mas com o lançamento do circo na Praça Onze em outubro de 2004, seus sonhos reacenderam.

screen-shot-2016-08-30-at-10-38-22

Rayssa sempre foi apaixonada por biologia, mas quando encontrou o circo, seu foco mudou. Ela foi apresentada a novas sensações e imediatamente se apaixonou. Uma menina calma e sensível, Rayssa conversa com a câmera sobre o circo como se ele fosse uma pessoa, aquele que tem o poder de mudar vidas e que lhe traz felicidade.

Tayane é movida pelas oportunidades que o circo ofereceu a ela. Oriunda do Santa Marta, uma comunidade na Zona Sul do Rio, ela agora está terminando um estágio no PROFAC, o Programa de Formação do Artista de Circo. Os cineastas da Rise Up & Care acompanharam a Tayane no Santa Marta e documentaram momentos emocionantes proporcionados pelo circo.

screen-shot-2016-08-30-at-10-44-11

Letícia sempre fez parte do circo, até ficar grávida e precisar fazer uma pausa. O apoio que ela recebeu e a comemoração pelo nascimento na sua família circense mostram que o Circo Crescer e Viver não é apenas uma escola de artes, é um lugar que oferece uma rede de apoio extremamente necessária para a vida dessas crianças e jovens adultos.

Vinicius nos lembra disso e a história do Circo Crescer e Viver comprova essa necessidade. As comunidades no entorno da Praça Onze passam por muitas dificuldades. Há violência de todos os tipos, diz ele. “O fato de não ter nada para comer, o fato de não ter um lugar adequado para viver e dormir, o fato de não ter sapatos para usar, são todos atos de violência”.

screen-shot-2016-08-30-at-10-37-39

Falando da estreia do filme, Vinicius agradeceu a equipe da Rise Up & Care por trazer visibilidade para o circo e a comunidade e por permitir que os moradores vejam suas vidas a partir de outra perspectiva: “Hoje, essas crianças, seus pais, mães e famílias estiveram no circo para assistir a eles mesmos, suas histórias, histórias de seus vizinhos, de forma positiva, poética, humana, com dignidade e isso os valoriza”.

Assista ao trailer aqui: