Casa Fluminense Realiza Diálogos com Governáveis Sobre Suas Agendas Para o Rio

Nos dias 24 e 31 de agosto, aconteceram dois encontros do Agendas Para o Rio, conversas da sociedade civil com dois dos candidatos ao governo do Estado do Rio de Janeiro. O evento foi organizado pela Casa Fluminense, em parceria com o Instituto Marielle Franco e a Ação pela Cidadania. O primeiro encontro foi com o ex-prefeito de Niterói, Rodrigo Neves. O segundo foi com o deputado federal Marcelo Freixo.

Atualmente, Marcelo Freixo está em segundo lugar nas intenções de voto e 15 pontos percentuais à frente de Rodrigo Neves. Essa diferença também se fez visível nos encontros. Enquanto havia mais cadeiras vazias do que pessoas para assistir o ex-prefeito de Niterói, no encontro com Freixo faltavam lugares.

Fome e Insegurança Alimentar

A primeira pergunta para ambos os candidatos foi sobre a fome e a insegurança alimentar no Estado do Rio de Janeiro. Eles receberam a Agenda Betinho 2022, que contém 92 propostas de combate à fome e de construção de políticas públicas de segurança alimentar e nutricional. Ambos foram questionados sobre o que fazer emergencialmente diante desta questão. 

Rodrigo Neves prometeu um auxílio financeiro para os fluminenses, mas não deu detalhes de onde viriam os recursos para tal. O candidato assegurou: “Vamos criar um programa de renda básica de R$500, assim como eu fiz em Niterói na pandemia”.

Marcelo Freixo também prometeu auxílio, mas em forma de ticket para almoço e a reabertura dos 13 restaurantes populares, também sem dar detalhes de onde viriam os recursos.“Primeiro a gente precisa ter todos os restaurantes populares funcionando. São 13 e hoje temos cinco abertos e oito em reformas e obras… [Precisamos] pegar o Cadastro Único, onde a gente tem um mapa dessa fome, e garantir um ticket para que [quem precisa possa] se alimentar em um restaurante credenciado, num valor de R$12 e que ele consiga ter essa alimentação mínima diária”.

Emprego e Renda para os Jovens

Sobre emprego e renda para os jovens, ambos citaram como pretendem criar 150.000 vagas de emprego. Freixo já pediu o apoio de Lula para atingir este objetivo, enquanto Neves deu um prazo de dois anos para criar essas vagas. Neves anunciou que pretende “reestruturar a companhia estadual de habitação para construir casas populares. Meu objetivo é construir 100.000 casas populares nos dois primeiros anos de governo. Com isso, nós vamos criar 150.000 empregos”.

Já Freixo expôs a seguinte solução: “Eu falei com Lula para restabelecer aqui a indústria naval. Isso é decisivo. A indústria naval minguou. Nós perdemos 150.000 empregos no Rio de Janeiro diretamente e mais de 500.000 indiretamente”.

Segurança Pública

Rodrigo Neves prometeu acabar com a política de segurança de Cláudio Castro e Witzel: “O que não dá mais para acontecer é o que tem acontecido no governo Cláudio Castro e Witzel. Nós vamos acabar com essa política do ‘tiro na cabecinha‘ do Estado do Rio de Janeiro”.

Além de acabar com a política atual, Freixo prometeu um plano estadual de combate ao racismo: “A gente vai ter um plano estadual de combate ao racismo no Rio de Janeiro, com políticas que sejam transversais e intersetoriais. Isso dialoga e muda efetivamente a estrutura da segurança pública.”

Mulheres no Poder

Questionados sobre a violência doméstica e obstétrica, Rodrigo Neves prometeu mulheres no poder. Sem dar o nome de nenhuma mulher que possa ser uma eventual secretária em seu governo, ele afirmou: “Eu tenho um compromisso com as mulheres do Estado do Rio de Janeiro, podem registrar. A partir de janeiro de 2023, pelo menos 50% das secretarias do Estado vão ser [ocupadas por] mulheres, [que] vão conduzir as pastas de primeiro escalão no governo do Estado”. 

Freixo enfatiza uma secretaria própria: “Nós vamos [voltar a] ter a Secretaria de Mulheres, vai ser reativada no Rio de Janeiro”.

Educação

Ao ser perguntado sobre como diminuir a evasão escolar no estado, Rodrigo Neves prometeu reabrir todos os CIEPs: “Da mesma forma que eu fiz em Niterói, nós vamos reabrir e retomar todos os CIEPs que estão abandonados no Estado do Rio de Janeiro”. Durante todo o encontro, Neves citou diversos dados e prometeu criar numerosos programas com base nos realizados em Niterói enquanto prefeito, sem citar as diferenças demográficas ou culturais entre Niterói e o Estado do Rio. 

Freixo diz que pretende trazer explicadores universitários para as escolas estaduais, criando bolsas da CAPES/CNPQ, através de acordo firmado com o Presidente Lula, para que possam estar dentro das escolas: “Na ponta do lápis, a gente está garantindo [isso] com R$32 milhões, muito menos do que se desviou nos fantasmas do Cláudio Castro”.

Mobilidade Urbana

Quanto à mobilidade urbana, Rodrigo Neves prometeu: “Eu vou tirar do papel a Linha 3 do metrô ligando Itaboraí, São Gonçalo, Niterói e o Rio de Janeiro sob a Baía de Guanabara”.

Freixo também cita a Linha 3 do metrô e diz que não é um projeto barato. Segundo ele, esse projeto depende de investimentos do governo federal, informando que já conversou com Lula sobre o tema. Ele também quer um Bilhete Único ligado a três transportes pelo valor de R$7.

Habitação

Com relação à habitação, a estratégia de Rodrigo Neves é construir 100.000 casas populares nos primeiros dois anos de governo: “Tem recurso para fazer isso, como tem recurso para fazer renda básica. O que falta é decisão política”.

Freixo não respondeu onde vai investir o fundo de habitação existente no Rio de Janeiro: “O fundo de habitação vai servir a qual política habitacional do Rio de Janeiro? Tem que definir qual é a política habitacional do Rio de Janeiro”.

Corrupção e Transparência

Rodrigo Neves fez um longo discurso, excedendo seu tempo de fala, mas não disse quais medidas pretende tomar contra a corrupção no Rio.

Já Freixo posicionou-se dizendo que enfrenta a corrupção há tempos, desde pelo menos Sérgio Cabral: “Eu fui o primeiro a denunciar as estruturas corruptas do governo Cabral ao Ministério Público”.

Sobre o autor: Eric Santos é formado em Administração, comunicador comunitário e YouTuber. Atualmente mora em Vargem Pequena.


Apoie nossos esforços para fornecer apoio estratégico às favelas do Rio, incluindo o jornalismo hiperlocal, crítico, inovador e incansável do RioOnWatchdoe aqui.