Um Território Árido: Candidaturas de Mulheres Negras e Periféricas da Baixada Fluminense [VÍDEO]

Neste minidocumentário, três mulheres negras da Baixada Fluminense contam suas experiências ao disputar eleições e como este é Um Território Árido para candidaturas femininas, pretas e que desafiem os clãs políticos locais. Nas eleições de 2022, a professora de história Juliana Drummond, de São João de Meriti, e a professora de matemática Rose Cipriano, de Duque de Caxias, foram candidatas, respectivamente, aos cargos de deputada federal e estadual. Já a pedagoga Leci Carvalho, do bairro de Austin, em Nova Iguaçu, apesar de não ter disputado o pleito em 2022, relata as dificuldades que enfrentou nas eleições de 2020 e de 2016, quando tentou conquistar a Prefeitura de Nova Iguaçu.

Nenhuma das três conseguiu se eleger. No entanto, Juliana Drummond, que obteve 4.181 votos, é suplente de deputada federal e Rose Cipriano, que contou com 13.699 votos, é suplente de deputada estadual. Isso significa que, graças à votação expressiva que receberam, caso deputados da mesma lista partidária precisem se ausentar ou serem substituídos, elas poderão vir a ser empossadas, o que pode acontecer até 2026.

Em comum, as três ativistas trazem reflexões sobre o racismo estrutural e o machismo, que permeiam historicamente o processo eleitoral na Baixada. Este minidocumentário também mostra o racismo na distribuição dos orçamentos do fundo eleitoral dos partidos políticos entre candidaturas negras se comparadas às brancas. Até mesmo em partidos que teoricamente abraçam a luta antirracista e que têm militantes históricos do Movimento Negro, como o Partido dos Trabalhadores (PT), candidatas(os) negras(os) são subfinanciadas e não contam com todo o apoio institucional comumente disponível a seus correligionários brancos.

Assista ao Minidocumentário Aqui.

Estação de Comendador Soares em Nova Iguaçu com a Serra do Vulcão ao fundo. Foto: Reprodução do vídeo

Sobre o roteirista: Fabio Leon é jornalista, ativista dos direitos humanos e assessor de comunicação no Fórum Grita Baixada.

Sobre a produtora e editora: Moradora de Nova Iguaçu, Janine Miranda é professora de linguagens e trabalha com o audiovisual e fotografia, além de atuar com a educação para o meio ambiente através da ONG Contato.


Apoie nossos esforços para fornecer apoio estratégico às favelas do Rio, incluindo o jornalismo hiperlocal, crítico, inovador e incansável do RioOnWatchdoe aqui.