Últimas Notícias

Moradores do Cerro Corá Protestam pelos Direitos da Favela

Click Here for English

No domingo, 22 de fevereiro, cerca de 20 ativistas se reuniram na Praça São Judas Tadeu, do lado da estação do bondinho que leva até o Cristo Redentor, no bairro de Cosme Velho no Rio de Janeiro. Vindos do Cerro Corá, uma favela que fica apenas cinco minutos a pé a partir deste ponto turístico movimentado, eles queriam combater a invisibilidade das favelas do Rio e “mostrar aos cariocas e aos turistas o que acontece debaixo do Cristo Redentor”.

Os ativistas, membros do Cerro Corá-Moradores em Movimento, destacaram uma série de problemas atualmente enfrentados por favelas do Rio: demolições de casas e remoções, insuficiência de serviços básicos, como água e eletricidade, e violência policial contra moradores de favela, todos problemas divulgados. Assistidos por multidões de turistas em seu caminho até a estátua, os ativistas levavam bandeiras e cartazes em português, inglês e espanhol com dizeres como: “A Favela é parte da cidade” e “Cabral: Opressor de 1500 a 2014”.

O protesto incluiu uma performance assistida por transeuntes. Um índio, um escravo e um morador da favela de hoje, todos amarrados e algemados por “Cabral”, um híbrido de Pedro Álvares Cabral e seu xará moderno, o Governador Sérgio Cabral. Cabral explicou seu desejo de conquista e controle, enquanto os três prisioneiros explicaram os males e sofrimentos vividos em suas mãos.

Uma vez a cena terminada, um tambor começou a soar e o grupo começou a cantar, com interpretações de clássicos do funk, como o Rap da Felicidade“Eu só quero ser feliz / E andar tranquilamente na favela onde eu nasci”–e canções sobre a corrupção, violência e o direito da favela à cidade.

David dos Santos, um dos organizadores do evento, explica: “Hoje decidimos descer da favela para um ponto turístico a fim de explicar um pouco para os visitantes o que está acontecendo nas favelas do Rio de Janeiro…Nós fizemos uma apresentação que fala um pouco sobre a situação de hoje, que não é muito diferente da colonização”. Ele continuou: “Há remoções acontecendo em todo o Rio de Janeiro. Nós estamos aqui resistindo. Estamos aqui para dizer que a favela foi abandonada”.

“Há cinco minutos de distância do Corcovado, as pessoas vêem uma bela paisagem, mas nem desconfiam que nós vivemos lá sem água e sem eletricidade”, disse Jeferson Dias da Cunha, membro do grupo e um dos atores na performance. “A importância do evento de hoje é trazer esta realidade e mostrá-la para os turistas que vêm aqui, para mostrar que o Rio não é simplesmente maravilhoso. É maravilhoso, mas tem uma população cujas necessidades têm de ser atendidas”.

O Cerro Corá – Moradores em Movimento foi fundado no ano passado por moradores para fazer campanha e proteger os direitos da comunidade. Seus projetos incluem a criação de um museu comunitário e de uma biblioteca. De acordo com Jeferson, eles querem “inspirar os moradores e trazer uma consciência política para que eles não esperem que o Estado faça alguma coisa, porque eles só vêm a cada quatro anos para pedir votos”.