Últimas Notícias

A Violência Contra a Mulher no Contexto das Remoções, Parte 3: Onde Mais se Bate, Mais se Mata?

Esta é a terceira de uma série de quatro matérias que traz à luz uma pesquisa que evidencia o padrão territorial desigual no qual a violência contra a mulher se materializa na cidade do Rio de Janeiro.

A violência contra mulher é um mecanismo estrutural que atua como política de controle, cujo objetivo é manter as mulheres em desvantagem e desigualdade sistêmica na sociedade. A violência legitimada pela desvalorização das mulheres reproduz o domínio patriarcal por meio da intimidação e nasce inicialmente nos lares, fortalecendo um padrão de comportamento que reverbera nas ruas. Como demonstrado nas matérias anteriores, o isolamento territorial e, consequentemente, a dificuldade de acesso às leis e aos serviços somam-se às violações em áreas dominadas pelo crime organizado.

Além de uma situação de violência social generalizada, a vulnerabilidade que alimenta esse ciclo de violências é influenciada por fatores como a dependência financeira, uso de álcool ou drogas e o desemprego. O cartograma abaixo permite observar a possível correlação entre desemprego e violência contra a mulher no Rio de Janeiro.

O padrão territorial diferenciado se evidencia em relação à cor das vítimas, pois o percentual de mulheres negras ou pardas vítimas de lesão corporal dolosa é significativamente superior na Zona Oeste, como demonstra a tabela abaixo. A lesão corporal dolosa, categoria geral do que reconhecidamente se configura em sua maioria como violência doméstica ou familiar, tem a casa como local rotineiro. Na Zona Oeste da cidade esse padrão se verifica de forma evidente, sendo menos expressivo no restante da cidade, o que demonstra como as políticas urbanas, em especial sobre o uso e ocupação do solo, podem modificar padrões de violência.

Tabela 1: Característica das ocorrências de lesão corporal dolosa por zona (elaborado pela autora).

ZONA COR* LOCAL* IDADE*
Branca Negra Parda Moradia Local Público Criança Adolescente Adulta
Oeste 43% 13% 42% 62% 34% 3% 7% 88%
Norte 49% 14% 36% 56% 39% 3% 7% 89%
Centro 55% 12% 31% 34% 59% 2% 5% 91%
Sul 63% 10% 24% 47% 47% 2% 5% 91%
*A identificação de cor, local e idade não ocorre em todos os casos notificados, por esse motivo o percentual não totaliza 100%.

Aqui, é importante novamente destacar a diferença entre os dados apresentados em valores absolutos e por taxas. Os valores absolutos expressam a quantidade de ocorrências de violência contra a mulher registradas em determinado território sem considerar outras variantes. Já o cálculo das taxas demonstra quantas mulheres foram vítimas de violência em relação à população feminina residente em determinado território, ou seja, considera a variante populacional para compreender o fenômeno. Como já explicitado, a distância temporal do Censo 2010, assim como as grandes transformações urbanas, impossibilitam o cálculo das projeções para a população feminina por CISP para todo o período analisado, por isso o cálculo por taxa é apresentado somente para o ano de 2010 com o intuito de perceber a correlação entre os dados.

Assim, similarmente à incidência de estupros, quando considerados os valores absolutos, a Zona Oeste figura como a área que concentra mais ocorrências de lesão corporal dolosa, mas a taxa por 10.000 mulheres para 2010 é mais elevada no Centro.

Tabela 2: Lesão Corporal Dolosa no Rio de Janeiro por Zona em valores absolutos (2009-2016) e por taxa de 10.000 mulheres (2010) (elaborado pela autora).

% valores absolutos – 2009-2016
Zona Oeste Zona Norte Zona Sul Centro
53,4% 35,4% 7,3% 3,9%
Taxa de 10.000 mulheres – Censo 2010
Zona Oeste Zona Norte Zona Sul Centro
67,28 49,07 40,23 142,0

A expressão “feminicídio” tem sido difundida e empregada de forma estratégica por militantes e pesquisadoras feministas desde a década de 1990 e progressivamente incorporada como tipo penal nas legislações de diversos países da América Latina. Nesse processo, tem se evidenciado o caráter discriminatório da invisibilidade e a opressão sistemática que promove a impunidade no caso desses crimes, destacando a omissão do Estado como fator para a persistência da violência contra a mulher. Nesse contexto, é fundamental observar que o feminicídio íntimo, comumente, é o fim trágico de um ciclo de violência, legitimado pela sociedade e pela mídia pela expressão “crime passional”.

Assim, existe uma correlação entre territórios onde mais se agride e violenta mulheres e onde ocorrem mais feminicídios, como demonstra a figura acima. Nesse sentido, é fundamental que as políticas públicas sejam concebidas de forma integrada e multidisciplinar, incorporando a segurança pública na formulação de outras políticas. Nos casos de morte violenta de mulheres, o padrão territorial segregador e racista novamente se evidencia em relação à cor das vítimas, conforme tabela abaixo.

Tabela 3: Característica das ocorrências de morte violenta de mulheres por zona (elaborado pela autora).

ZONA COR* LOCAL* IDADE*
Branca Negra Parda Moradia Local Público Criança Adolescente Adulta
Oeste 28% 16% 50% 31% 48% 4% 5% 66%
Norte 33% 1% 42% 32% 49% 5% 5% 62%
Centro 48% 7% 31% 31% 45% 7% 0% 71%
Sul 48% 7% 45% 41% 50% 7% 5% 79%
*A identificação de cor, local e idade não ocorre em todos os casos notificados, por esse motivo o percentual não totaliza 100%.

Nesse tipo de crime, um fato importante é que a qualidade das informações coletadas na Zona Sul é superior às demais regiões da cidade, pois tem um menor percentual de não informação sobre as características do crime, o que pode refletir uma negligência no registro das ocorrências como resultado de uma discriminação socioeconômica.

A impunidade penal característica das mortes violentas de mulheres determina que enquanto uma violação do estado de direito, considerando que as autoridades não cumprem efetivamente suas funções, o feminicídio é um crime do Estado. Assim, até que ponto diante da situação de violência generalizada em diversos níveis não se pode dizer que a exceção deixou de ser uma suspensão temporal do estado de direito e se tornou regra, vulnerabilizando ainda mais as mulheres que vivenciam um cotidiano no qual a negação de direitos é permanente e estrutural do patriarcado?


Série Completa: A Violência Contra a Mulher no Contexto das Remoções

Parte 1: Introdução
Parte 2: Violência como Política de Controle
Parte 3: Onde Mais se Bate, Mais se Mata?
Parte 4: O Machismo Institucional na Cidade Patriarcal

Quer garantir o futuro do RioOnWatch?

A doação mensal é a maneira mais sustentável e eficiente de apoiar nosso trabalho incansável e contínuo em prol das favelas do Rio. Comece seu apoio hoje mesmo. CLIQUE AQUI PARA APOIAR.